21 de agosto de 2011

Adão era imortal antes do pecado?


Há três correntes interpretativas. A primeira é a da não imortalidade, a qual encontramos presente nos ensinos dos pelagianos e socinianos. Estes defendem que Adão foi criado mortal e não só no âmbito da possibilidade, mas o primeiro homem estava sujeito a morrer mesmo antes da queda. Defendem eles que a morre biológica é natural para todo o vivente, de maneira que a vida corporal começa e deve acabar. Assim sendo, não compreendem a morte como um elemento punitivo, mas como um processo natural da existência humana.
Outra corrente é a da imortalidade condicional. Entendem os teólogos que a defendem que o homem não possuíam capacidade inerente de viver eternamente, mas não precisava ter morrido. Antes do pecado, a morte não era punitiva e era uma possibilidade, porém, após a queda, Árvore da Vida torna-se inacessível ao homem (Gn 3.21), de modo que ele não mais pode ter acesso à vida eterna e, assim, a morte se torna algo inevitável.
A terceira corrente é a qual da imortalidade absoluta, e é a qual integro, por estar mais coadunada ao ensino do texto bíblico. Acerca da imortalidade  adâmica, essa terceira corrente defende que o homem, em sua condição original, não estava sujeito à lei da morte. A defesa do posicionamento de uma imortalidade absoluta se deve pelas seguintes razões:
1.       Analisando a doutrina da “Imago Dei” (imagem de Deus no homem), compreende-se que o Deus que não está sujeito às sementes da corrupção e mortalidade confere ao homem a ausência da morte como uma das expressões de sua imagem e semelhança. Assim sendo, o homem não levava dentro de si as sementes da morte física, mas, ao contrário, ele fora criado com o dom preternatural  da imortalidade.
2.       A penalidade de Gênesis 2.17: “No dia em  que comerdes, certamente morrerás”. Há ainda a alusão de outros textos bíblicos, tais como Ezequiel 18.4, Romanos 6.23 e Efésios 2.1, que claramente fazem referência à morte espiritual. Todavia, deve-se entender que a morte espiritual – a separação entre o homem e Deus – traz em si a semente da morte biológica – separação entre corpo e alma. Por herança adâmica, a morte tem domínio sobre toda a humanidade, pois toda humanidade nasce espiritualmente morta e fisicamente destinada a morrer (Rm 5.12). Por decorrência lógica, se não haveria morte.
3.       A morte física não é apresentada nas Escrituras como o resultado natural da continuação do estado original do homem, antes, sim, ela é inimiga da vida humana (1Co 15.26). O castigo sobre o homem (Gn 3.19), o qual explicitamente faz menção à morte física, se trata de condição nova e não de algo pertinente à fase antes da Queda. Assim entende-se que a corrupção do corpo só é conhecida na queda (1Co 15.22) e, por conseguinte, o homem fora criado para imortalidade.
4.       Em Cristo, em sua morte e ressurreição, os salvos obtêm sua plena redenção. No que se refere à redenção do corpo, significa que Cristo nos proporciona o direito à eternidade, por meio da ressurreição e glorificação corpórea (1Co 15.51), a qual nos conferirá a restauração do estado de imortalidade que tinha o homem (Lc 20.36) e, consequentemente, o retorno absoluto ao estado original pré-Queda (1Jo 3.2,3).
Partindo das Justificativas supramencionadas, nós podemos crer que Deus criou Adão para imortalidade.

“Mensageiro da Paz, n°1.492, Setembro de 2009”                 

11 comentários:

  1. A paz do Senhor Jesus...

    Eu não concordo com alguns posicionamentos, pois como pode Deus condicionar o homem a morte se o mesmo era imortal, a biblia se preocupa em afirmar que o Deus formou o homem do pó da terra, com a finalidade de lhe conferir um limite, se ele fosse eterno a morte não teria poder sobre ele, e ns ocasião da ressurreição e arrebatamento, não vamos voltar a ter o corpo feito do pó da terra e sim vamos ter um corpo glorificado...partindo deste principio interpretativo chegamos a conclusão, que o homem, não foi feito para morrer mas estava condicionado a morte caso viesse a desobedecer a ordem de Deus, ele só seria mantido naquele estado enquanto tivesse comunhão plena com o Criador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A paz querido, a morte só passou a ter efeito sobre ele após o pecado!

      Excluir
    2. o que mantia o homem imortal era a árvore da vida,a morte do homem é algo natural até os animais morrem,mas Adão e Eva tinham a árvore da vida e se alimentavam dela para então viver,quando pecaram Deus expulsou os 2 do jardim para não terem acesso a árvore da vida e não viverem eternamente em estado de pecado.

      Excluir
  2. perfeito Pastor, foi criado com imortalidade condicional, se não começe do fruto viveria eternamente, participando do fruto da árvore da vida.

    ResponderExcluir
  3. se alguém fala para você se algum dia você cair numa buraco,você morrerá e você vive mais de 100 anos,a pessoa não mentiu,não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje o contexto é muito diferente. Pós pecado é uma coisa, antes é outra...

      Excluir
    2. o homem possui corpo alma espirito creio que a arvore supria o espirito e as demais frutas do jardim eram para o corpo.se o homem morria estamos falando de morte do corpo ou espirito.sendo que morte è a separação do corpo da alma e do espirito

      Excluir
  4. Pelo que consta nas escrituras o que mantinha a vida longa de Adão e Eva era a árvore da vida....tanto que quando pecaram foram removidos do Jardim do Éden para que nao tivesse mais acesso aos frutos da árvore da vida e perpetuar o pecado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Correto entendo assim tbm..
      A árvore da vida ,dava vida
      Não vida eterna..
      Se não chamaria ela de árvore da vida eterna...
      Ela dá seu fruto de mês em mês, e suas folhas são remédio para saúde
      Após 22,2

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir